quinta-feira, 25 de abril de 2013

Fertilização In Vitro - Passo a Passo.

Vou deixar a seguir uma matéria que encontrei sobre os passos gerais de uma FIV, Segue:

Estimulação Controlada dos Ovários: 
A estimulação controlada dos ovários tem por objetivo tornar o ambiente ovariano mais adequado ao crescimento folicular o que, potencialmente, melhora a qualidade dos oócitos. Com a estimulação dos ovários, vários folículos entram em crescimento, aumentando-se assim o número de oócitos por ciclo. (Para isso tomei a GONAL, valendo lembrar que a dosagem desta medicação varia de acordo com cada paciente... então nada de auto-medicação!!!) 

Punção dos folículos ovarianos: 
A punção dos folículos ovarianos, deve ser realizada no centro cirúrgico, com a paciente anestesiada. Com o auxílio de ultra-som de alta frequência, e um probe transvaginal com uma agulha acoplada, o médico introduz o probe na vagina, identifica o ovário e punciona os folículos. À medida que os tubos com o líquido folicular vão sendo obtidos eles são encaminhados para o laboratório adjacente à sala cirúrgica. 

Classificação dos oócitos capturados: 
Com o auxílio de um estereomicroscópio, o líquido folicular de cada tubo obtido no centro cirúrgico, é transferido para uma placa de meio de cultura e examinado à procura do oócito. Uma vez identificado, o oócito é transferido para outra placa contendo apenas meio de cultura, onde será classificado. 

Inseminação dos oócitos e cultura in vitro: 
Enquanto a paciente está no centro cirúrgico para ser submetida à punção dos folículos ovarianos, o marido colhe o sêmen por masturbação, em área anexa ao laboratório de fertilização in vitro. Após um período de liquefação, o sêmen é preparado por diversas técnicas laboratoriais de acordo com cada paciente. Com isto, os melhores espermatozóides serão selecionados. Neste momento, o laboratório está de posse dos dois gametas: o feminino que foi puncionado por via transvaginal e deixado em estufa de CO2 à 37o C e o masculino, colhido por masturbação e separado os espermatozóides mais competentes. 

A incubação dos espermatozóides com os oócitos é feita numa estufa de CO2 a 5% e temperatura de 37o C, por um período de 12 a 18 horas. 

Decorrido este período, ou seja, na manhã seguinte, os oócitos são examinados para verificar se foram fertilizados. Em boas condições laboratoriais e partindo-se de oócitos maduros e sêmen de boa qualidade, pode-se esperar que, pelo menos, 80% dos oócitos inseminados sejam fertilizados. 

Transferência de embriões: 
Atualmente, os embriões são transferidos em fase de clivagem (3 dias após a fertilização) ou no estágio de blastocisto (5 dias após a fertilização). Antes de serem transferidos para a cavidade uterina, independente da fase em que se encontram (3 ou 5 dias) eles são classificados. 

Nesta classificação, que é apenas morfológica, são levados em consideração a velocidade de divisão celular, o número de blastômeros, a simetria e forma dos blastômeros, a presença ou ausência de fragmentação. Os embriões até o momento da transferência são mantidos em estufa de CO2 a 5% e temperatura de 37º C. É extremamente importante que a transferência seja feita na mesma área física onde se encontram os embriões, ou seja, junto ou dentro do laboratório. A transferência ocorre com a paciente em posição ginecológica. 

Suporte de fase lútea: 
Um suporte exógeno (Progesterona) da fase lútea é uma prática comum nos programas de fertilização in vitro. Isto é feito em decorrência da superovulação, que pode levar a uma alteração do ambiente endócrino, gerando uma necessidade de repor a Progesterona. 

Admite-se que a necessidade do suporte na fase lútea deriva do fato que a incidência de defeitos da fase lútea está aumentada em mulheres que se submetem a estimulação controlada dos ovários e que a aspiração folicular pode prejudicar a esteroidogênese (produção de hormônios) por lesão das células da granulosa. 

O uso de hCG como suporte de fase lútea é muito arriscado, pois pode propiciar a síndrome de hiperestímulo ovariano. Assim, é preconizado o uso de Progesterona para realizar o suporte. 

Quanto à via de administração de Progesterona, preferimos a vaginal, pela comodidade e excelente absorção da medicação. 

Resultados: 
O resultado de um programa de fertilização in vitro depende fundamentalmente da idade da paciente. Quanto mais jovem (< 37 anos), melhores os resultados. A verificação da gravidez pode ser feita 12 a 14 dias após a transferência dos embriões, dosando-se a concentração de hCG no sangue. A taxa de gravidez por ciclo de fertilização in vitro é de 40 a 50%. 

Considerações éticas: 
De acordo com o Conselho Federal de Medicina (Resolução 1358/92), devem ser transferidos para a cavidade uterina, no máximo 4 embriões. Com esta restrição, diminui em muito as taxas de gestações múltiplas, trazendo um benefício fundamental para as pacientes. 

Buscamos sempre evitar gestações múltiplas, pois suas consequências são muito graves para a saúde dos bebês (que certamente serão prematuros) e da própria mãe (riscos de hipertensão, diabtes gestacional, rotura uterina, descolamento de placenta, hipotonia uterina etc). Assim, temos a cada dia transferido menos embriões a cada procedimento. Como exemplo geral, em pacientes com menos de 25 anos transferimos apenas um embrião; dois embriões em pacientes entre 25 e 30 anos; três em pacientes entre 30 e 40 anos e quatro apenas em pacientes com mais de 40 anos. 

Materia retirada do site: http://www.bebedeproveta.net/fiv2.htm

0 comentários:

Postar um comentário